MSX no Brasil

 

Aqui no Brasil, na década de 80, já tinha empresas produzindo os primeiros computadores fabricados em território nacional, seguindo ou copiando os padrões de computadores americanos como TRS-80, Apple II e PC.

Em 1985 a SHARP e a GRADIENTE também entraram no mercado brasileiro de computadores pessoais, adotando o padrão MSX1. A SHARP lançou o HOTBIT, um computador que era inteiramente embutido dentro do teclado, e a GRADIENTE lançou o Expert, que tinha o teclado separado do gabinete.


HotBit da Sharp/Epcon


Nessa época existia a lei de reserva de mercado, e a Sharp e Gradiente para se beneficiarem dos incentivos fiscais da Zona Franca de Manaus, os produziu como se fossem video-games. Com o relativo baixo custo ao consumidor, o MSX foi um sucesso brasileiro, alcançando ao longo dos anos o total de 400.000 máquinas fabricadas.

Logo surgiram novas empresas brasileiras produzindo acessórios e periféricos para os computadores MSX. A maior empresa  e principal fabricante de acessórios para MSX era a DDX, que produziu principalmente as interfaces de disquetes.


Expert da Gradiente

Nunca foi fabricado um MSX2 no Brasil. Entretanto em 1987 a criatividade dos técnicos/engenheiros brasileiros  criou um kit de "transformação", chamado KIT MSX-2, para o MSX1 Expert. Com a instalação desse kit o Expert se transformava em MSX2 (com melhor qualidade de video). A empresa que mais vender os KIT MSX-2 foi a DDX.

Em destaque, a ACVS, empresa de Ademir Carchano, produziu o melhor KIT 2.0 brasileiro. Ele também produziu uma versão do kit em cartucho, para o HOTBIT, pois como o computador inteiro era embutido dentro do teclado, não havia espaço para o kit não caber dentro.

O Ademir Carchano (ACVS) também ficou famoso por inventar o cartucho MEGARAM, que era uma expansão de memória que só existiu no Brasil, e o expansor de slots, que permitia conectar até 4 cartuchos ou acessórios ao mesmo tempo. Foi um orgulho para os brasileiros terem criações de tecnologia 100% nacionais e fabricadas em nosso país. O MSX foi a última linha de computadores que teve empresas 100% nacionais produzindo e CRIANDO tecnologias brasileiras.

Em 1988 o MSX já era padrão do mercado brasileiro para computadores pessoais. Embora o MSX também era usado em escritórios, o principal concorrente IBM-PC estava aos poucos se tornando o padrão de computadores "profissionais".

A maior diferença entre eles é que o MSX tinha o processador Z80 (8 bits - mais simples e de menor custo) e recursos de audio e vídeo avançados para a época. Essa combinação foi um grande sucesso para jogos (uso doméstico), enquanto o PC tinha um poder de processamento maior (processador de 16bits e mais memória RAM) e sem recursos de vídeo e audio (uso para escritórios).

Em 1989 quando todos esperavam pelo MSX2 oficialmente brasileiro, a Gradiente lançou o Expert PLUS e o Expert DD PLUS, que infelizmente eram ainda padrão MSX1. O Expert DD PLUS foi o 1º MSX brasileiro a ter o drive de disquete 31/2" embutido. Foram os últimos modelos fabricados no Brasil.



Referências:

Marcelo Eiras
http://www.marceloeiras.com.br/msxsite/hist.htm

Renato Degiovani
http://www.marceloeiras.com.br/msxsite/msxhist2.htm

Daniel Caetano e Ricardo Jurczyk Pinheiro
http://www.caetano.eng.br/msxbrl/msxfiles-00.html

 

Voltar