O início do MSX

 

O fim da década de 70 foi o início da inovação tecnológia e comercial dos computadores pessoais. Era um mercado novo, muito promissor, onde muitas empresas lançaram seus primeiros computadores e seus respectivos padrões técnicos. Os que mais se destacaram foi o Apple II, lançado em 1977, o IBM-PC da IBM em 1981 (e que se tornou posteriormente o padrão mundial de computadores até hoje), ambos criados nos Estados Unidos.

Cada empresa criava seus computadores, e seus projetos em geral eram muito diferentes, não havia um padrão. Um programa para Apple funcionava apenas no Apple, o de PC funcionava apenas no IBM-PC, etc. Os programas e periféricos eram incompatíveis com as plataformas dos demais fabricantes.

A americana Microsoft em sua fase inicial, quando ainda era uma pequena empresa, desenvolvia a linguagem de programação "BASIC" e recebia pedidos de diversos fabricantes de computadores para criarem uma versão específica para cada uma de suas plataformas. Diante dessa observação o vice-presidente da empresa ASCII Corporations, Kazuhiro "Kay" Nishi, representante da Microsoft no Japão, teve a brilhante idéia de propor um padrão único de computadores, que fossem totalmente compatíveis entre si, independente do fabricante.

A empresa japonesa Matsushita (Panasonic) aceitou a idéia e junto com a empresa Sony, seus engenheiros criaram o primeiro computador MSX.


Padrão MSX1

Em 1983 o computador MSX foi lançado, com um padrão de fácil expansão, simples uso e manuseio, e total compatibilidade dos aparelhos periféricos e softwares independente da marca. Ao mesmo tempo, foi um projeto muito avançado para a época, havia processadores especiais de áudio e vídeo independentes (o Apple e o PC não tinham nada parecido) e um sistema de gerenciamento de memória técnicamente inovador, e um detalhe importante: não era necessário um monitor de vídeo especial, o MSX podia ser ligado em uma televisão comum.

Além da Panasonic e Sony, em seguida outras empresas japonesas e de outros países também participaram da fabricação e vendas do MSX: Yamaha, Sanyo, Toshiba, National, Philips, Pioneer, Canon, Casio, Daweoo, Fujitsu, Goldstat (atual LG), Hitachi, JVC, Mitsubitsi, Samsung entre outras. Cada fabricante produziu modelos de computadores diferentes, havia uma variedade de opções (formatos, modelos, opções e recursos), mas todos seguindo o padrão MSX.

Como os demais tipos de computadores, empresas de software faziam aplicativos diversos para uso profissional. Como os recursos de audio e vídeo do MSX eram avançados para a época, incentivou muitas empresas de software produzirem jogos. A que mais se destacou foi a japonesa Konami, com os excelentes jogos como King's Valley, Nemesis, Penguin Aventure, e muitos outros. Conheça alguns dos jogos: http://msx.zbr.com.br/jogos/



Padrão MSX2

Em 1985 foi lançada a segunda versão, MSX2, com novidades na parte gráfica, gerenciamento de memória e vídeo. Nessa época o MSX já era um grande sucesso na Ásia (Japão, Coréia), Europa (Inglaterra, Holanda, França, Espanha, Finlândia) na América do Sul (Brasil, Chile, Argentina) e na Antiga União Soviética. Curiosamente, são praticamente desconhecidos nos EUA.

Em 1988, o MSX chegava a 2 milhões de micros vendidos no mundo, e o título de "melhor microcomputador de 8 bits do mundo", enquanto o MSX2+ era lançado. Suas melhorias enfocavam novamente a parte gráfica e a capacidade de geração de som, tornando o MSX o primeiro computador multimídia. O IBM-PC passou a ter os recursos multimidia (placa de som e monitor VGA) só depois, apenas na década de 90.

O MSX foi o 1º computador no mundo a utilizar os drives de disquete 3 1/2", criados pela Sony. Logo depois disquetes de 3 1/2" foram também adotados pelo IBM-PC. O MSX também fez muito sucesso com a interface MIDI (para comunicação com teclados eletrônicos), digitalizadores de imagens, modems, etc.

Apesar desse sucesso mundial, o MSX nunca foi bem aceito no mercado americano. Nos EUA, apenas a Apple e IBM-PC fizeram sucesso com seus computadores pessoais. Até hoje ao ler sites, reportagens ou videos documentários americanos sobre computadores, eles nem citam a existência do MSX.


MSX Turbo-R

No ano de 1990 aconteceu a última evolução do MSX, trazendo um inédito avanço para o padrão: foi lançado o MSX Turbo-R. com um novo processador 10 vezes mais rápido (16 bits). Em 1990, 4 milhões de MSX já tinham sido vendidos ao redor do mundo.

Em 1993, para tristeza dos usuários, o MSX, depois de mais de 5 milhões de micros vendidos em todo o mundo, para de ser produzido pelo último fabricante: Panasonic. O padrão IBM-PC, que hoje chamamos simplesmente de "PC", acabou dominando o mercado mundial de computadores, seguido pela Apple com o computador Macintosh (Mac).

Mas nesta época, já existiam vários grupos de usuários organizados que produziam software e acessórios de hardware de qualidade para o MSX, e ainda incontáveis usuários espalhados pelos quatro cantos da terra. Na sua maioria estes usuários eram (e são) jovens estudantes que sabem explorar bem os recursos da máquina, e não é difícil conhecer entre eles engenheiros eletrônicos e exímios programadores. Muitos, inclusive, se encontram aqui no Brasil.

Ou seja, embora oficialmente o MSX não é mais produzido, deixou uma legião de fãns e admiradores no Brasil e no mundo (exceto EUA).

Pela internet existem muitos sites e grupos em redes sociais que mantem o MSX vivo: criando e vendendo novos programas, jogos e acessórios (hardware), encontros e eventos, etc.



História do MSX no Brasil


Referências:

Marcelo Eiras
http://www.marceloeiras.com.br/msxsite/hist.htm

Renato Degiovani
http://www.marceloeiras.com.br/msxsite/msxhist2.htm

Daniel Caetano e Ricardo Jurczyk Pinheiro
http://www.caetano.eng.br/msxbrl/msxfiles-00.html


 

Voltar